31 January, 2006

Sapienti pauca – A bom entendedor meia palavra basta


Acordei novamente de madrugada e não consigo dormir, já se converteu num hábito, durante os últimos dias, todas as minhas noites são atemorizadas pelo constante medonho pesadelo e pelo mesmo pensamento que a minha cabeça se nega a sonegar.
Gostaria que chegasse a noite em que eu pudesse adormecer tranquila, sossegada e serena, sem indigestos pesadelos, sem maçadores pensamentos, em que eu pudesse só dormir, como confio que todas as pessoas neste universo o fazem.
A minha mágoa é imensa e profunda, sofro como se tivesse um punhal gigantesco e resplandecente embutido no coração, o meu padecimento é tão desmedido que, por vezes, nem consigo respirar, a minha dor é tão grande que nem dormir consigo.
Em verdade vos digo que vivo assim, nesta amargura descomunal, nesta melancolia e amofinação desmedida, há preguiçosos e extensíssimos dias.
Creio que por vezes existem perguntas às quais ninguém tem resposta, nem nós próprios.
Durante estes últimos dias, tenho-me colocado algumas perguntas, e por muito que necessite de saber as respostas, simplesmente não as encontro na minha cabeça, nem tão pouco no meu coração.
Iniciei este blog com o singular intento de demonstrar não só a minha capacidade de escrita, mas também porque sentia a necessidade de por cá para fora o que sinto cá dentro.
Tenho consciência que esse facto não foi, de todo, bem aceite por muitas pessoas. Devo confessar que perdi numerosos afeiçoados com a minha singela postura, presumivelmente esses amigos nunca o foram verdadeiramente, contudo isso é outra rubrica para prometidos temas.
Jamais tive o desígnio de me superiorizar aos meus semelhantes, até porque sempre tive a infinita crença de que nada do que faça ou possa advir a fazer é suficientemente bom.
Para alguns, esta minha reflexão pode ser uma inferiorização do foro anímico, mas para mim é, meramente, uma inferiorização educacional.
Pragmaticamente, todos os textos que rabisco são confissões, são prosas que os grandiosos amigos deveriam ter.
Embora nunca tenha reputado uma colossal relação de amizade, considero-me constantemente uma excelente amiga.
Quantas vezes fiz os meus amigos sorrir quando me almejava chorar?
Quantas vezes amparei os meus amigos quando era eu que carecia ser amparada?
Quantas vezes ajudei os meus amigos quando era eu que precisava de ajuda?
Quantas vezes proclamei palavras de ternura e benevolência aos meus amigos quando era eu que necessitava de as escutar?
Quantas vezes recordei os meus amigos quando era eu que carecia ser lembrada?
Quantas vezes abracei os meus amigos quando era eu que precisava de ser abraçada?
Quantas vezes estive presente nos pérfidos momentos dos meus amigos, e quando por eles passei, ninguém esteve do meu lado?
Todavia, jamais me arrependi de tudo o que fiz. Talvez isso é ser amigo!!! Arrependi-me, sim, em prodigiosas ocasiões, do que não fiz quando tinha a incumbência de ter feito.
Estimados leitores, existem individualidades que coabitam no nosso coração e que não merecem lá coabitar; pessoas que constantemente nos magoam; pessoas que não são meritórias do nosso amor, respeito e contemplação; pessoas que não querem que sejamos felizes pois, talvez, não o sabem ser; pessoas que não se envaidecem de nós e que acanham tudo o que fazemos.
Sintetizando e findando, também tenho, na minha vida, criaturas com esse desditoso e indigno carácter, e para esses seres nada do que eu faça é suficientemente bom.
E que assim seja!

“Cada lágrima nos ensina uma verdade.” (Ugo Fóscolo)

6 comments:

vigia do canto said...

tens razão, mas quando a tua familia é a primeira a apontar o dedo ao que tu fazes, não admira o que os outros dizem.
eu acho que escreves muito bem e deves continuar.
um conselho: nunca des o braço a torcer e nunca baixes a cabeça.

alguem said...

não chores, não fiques triste, se ha pessoas que não te dão valor ha outras que dão e por essas vale a pena continuares. A vida é uma constante aprendisagem, nunca sabemos tudo, nem nunca conhecemos todos muitas vezes são aqueles que mais confiamos nos traem.Gosto muito do que escreves continua.

Anonymous said...

Não desanimes. São Mateus é povoado por gente boa e menos boa, como em todos os lugares. Por gente que aceita a benesse da democracia como um dado adquirido e por gente que ainda julga que existem assuntos e cidadãos intocáveis, como no tempo do Lemos e do PAdre Rosa. Por isso, habitua-te e vais ver que ultrapassas este mau momento com facilidade.

Mónica Abreu said...

Kerida amiga já tive a oportunidade de trabalhar contigo cá no Porto e digo-te ke tu és a melhor em tudo o ke fazes. Tu és uma exelente profissional e amiga. Também não conheço ninguem mais simpático e humorado. ;-)
Brevemente vai ser um prazer e uma honra voltar a trabalhar contigo.
Beijos e até breve Sandrinha.

Dra. Fátima Martins said...

Sandrinha quando a Isabel me ligou a dizer que tinhas um blog fiquei pasma. O teu blog está mesmo muito bom. Faço minhas as palavras da Mónica. Se aí as pessoas criticam o que fazes e não reconhecem o teu valor, é fácil de resolver, vem para cá, porque aqui o pessoal dá-te valor e tu bem sabes disso.
Temos saudades tuas.
Força.

bere said...

Sandra, é pena que as pessoas por quem tens consideração critiquem o teu blog ou aquilo que fazes ou deixas de fazer.Vive a tua vida em pleno sem dar ouvidos ao "disse que disse" que nos rodeia. Faz aquilo que te parece melhor para ti e para aqules que realmente prezam a tua amizade. Parabéns pelo teu blog, pelas fotos bonitas e por partilhar um pouco de ti. Até breve!