13 May, 2006

Abuso sexual de menores em São Mateus

"O Tribunal Judicial de São Roque condenou na passada quarta-feira seis dos sete arguidos no caso de abuso sexual de menores da freguesia de São Mateus a penas de prisão que variam entre os 18 meses e os seis anos.
Dos sete arguidos, com idades compreendidas entre os 18 e os 78 anos, apenas um foi absolvido dos crimes de que era acusado. Os seis condenados foram, assim, considerados culpados de abuso sexual de duas menores de 11 e 12 anos. Segundo o Tribunal, entre o Verão de 2004 e finais de Abril de 2005, as duas menores do sexo feminino receberam quantias monetárias entre os 5 e os 100 euros como pagamento pelas práticas sexuais realizadas.
O Tribunal decidiu ainda suspender por um período de três anos as penas de três arguidos e durante dois anos a do menor de 21 anos.
No final da leitura do acórdão deste caso que foi despoletado a 10 de Maio de 2005, na sequência de uma denúncia da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da Madalena, o juiz sublinou que os arguidos deviam sentir vergonha pelos seus actos e que a comunidade local também devia sentir-se envergonhada por ter demorado a denunciar a situação."
In. Jornal Ilha Maior de 12 de Maio de 2006

11 comments:

Anonymous said...

a sentença devia ter sido igal para todos os homens e as raparigas tb deviam ter tido juizo porque já não são nenhumas crianças e sabiam muito bem o ke tavam a fazer.
sandra o teu blog tá bué fixe.

Anonymous said...

no final da leitura não foi concluido por abuso sexual mas por prostutuiçao infantil das duas

REI-NU said...

QUAL VERGONHA QUAL CARAPUÇA!!!
-Então somos obrigados a saber tudo sobre a vida de cada um???
-Não me faltava mais nada senão andar a espiar a VIDA dos outros.
-Basta me a minha...
-Falando por mim,só soube do caso de pedofilia em São Mateus, apenas quando rebentou o escândalo e na mesma situação aposto que se encontrava quase toda a freguesia.Então se não sabia mos, iamos denunciar o quê?
-Agora vou ser duro e realista.
-se ESSAS MENINAS NÃO TEM PAIS...nem familia....
-se ESSES VELHOS NÃO TEM VERGONHA...
Deveriam ir todos parar a prisão,as meninas até terem pais e os velhos até terem vergonha.
-isso sim...
Mas a maioria não foi, ficou tudo na mesma...
Da proxima não me peçam para ter vergonha...isso não...porque se tiver que a ter será por actos meus.
-Por isso mesmo,QUAL VERGONHA QUAL CARAPUÇA.

Anonymous said...

Relativamente as acções descritas pelas duas menos consideramos duas hipoteses, estas não preveram as cosequências do seus actos,será que estas duas crianças tinham uma noção desta execução sexual? ou Simplesmente o faziam para auferir dinheiro?
Julgo que a segunda hipotese é mais credível que a outra...
Agora gostaria que me explicassem qual foi a razão do juíz suspender os arguidos, pelos visto a justiça não íntegra na julgação de réus.
Também defendo que as duas vítimas deviam ter ido para uma casa de rectificação...Porque é que uma das vítimas encontra-se numa e a outra não? As minhas ideias fixas, e digo desde já que a justiça reina neste mundo...mas porquê que hei-de fazer alguma coisa se a população da freguesia de s. mateus não faz??
Cria felicitar a Sandra por este blog,é muito extruturado, e os temas são muito benignos para o dia-a-dia, e não critica o que se passa nesta frequesia...
Bem despeço de uma forma breve dizendo qu por vezes as pessoas não se conhecem umas às outras e julgam-nas de uma maneira nociva, e muitas delas são influênciadas por as pessoas de classe social elevada!
Kerem saber kem sou? Vai ser dificil de descobrir, sou um habitante de s.mateus,e mais não digo...

antonio das cruzes said...

Concordo plenamente com o anónimo que deixou a última mensagem! Afinal passam-se coisas mesmo à porta de casa das quais nem desconfiamos!
Quanto ao anonimato neste blog, afinal não é assim tão difícil descobrir quem é quem, basta ter dedos! Ou não! Alguns textos aqui publicados reflectem de forma inequívoca que o seu autor não é quem afirma ser: reparem em algumas expressões que frequentemente aparecem, a estrutura dos textos... não vos lembra ninguém? Alguém que todos nós já ouvimos algumas vezes (ou mesmo muitas!).
No entanto, apreciei bastante este blog e a forma como as temáticas abordadas são tratadas (ao contrário de outro blog existente onde apareciam alguns temas sobre a nossa freguesia e que de repente mudou...)
Apenas é pena que as pessoas não assumam quem são e escondam-se atrás de pseudónimos...

manuel said...

É verdade que acima de tudo o caso foi concluido como prostituição infantil por haver dinheiro pelo meio dos actos praticados. agora expliquem-me como estava a ser julgado um jovem de 17 anos????????? Assim sendo julgo que hoje em dia deveriam estar n de pessoas sentadas a serem julgadas. O que é que se vê mais nos dias de hoje???????? E acima de tudo é vergonhoso a psp ter conhecimento do caso e nao ter feito nada. Que raio de policias temos hoje em dia??????????
E o mais caótico é uma das esposas dos culpados ter feito queixa do caso pela falta do dinheiro e sabendo que o marido andava com uma menor, nao se importava. O que tava em causa era o dinheiro, mais nada.
E dito isto palavras para quê?????????

Anonymous said...

sabem o que parece isto aki????????? nada, nao foi há muito tempo a sandra proibiu alguns comentarios sobre a agreção da lisandra pinheiro contra a sara com um copo, e hoje ao ver estes comentarios ate fikei desiludida c a sandra pois o k estao a fazer é a tratar mal as raparigas e os pais k ate talvez n tem culpa, isso nao e um comentario, nao se eskecam k um dia terao filhos ou tem e nao sabem o k o futuro lhes prepara.sabem kual e a diferenca é a lisandra ser familia e claro k fika feio, ja as duas inocentes nao lhe sao nada.

Sandra Lopes Amaral said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Sandra Lopes Amaral said...

A desilusão que a injustiça nos traz aumenta em nós a tentação de fugirmos para longe dessa realidade, acabando por desfazer os nossos sonhos de um convívio de paz e harmonia. Caríssima Senhora Comentadora (julgo ser uma Senhora uma vez que escreve o comentário no feminino) é com enorme desgosto, amargura e pesar que tive conhecimento – através do seu comentário supra citado – que a desiludi. Jamais foi minha intenção decepcionar quem quer que fosse. Sinto-me na incumbência de a informar que retirei os comentários sobre o sucedido no Bar da Lira, entre as duas miúdas que a Digníssima Senhora menciona, porque achei que eram desrespeitosos para com o miúdo falecido (a quem o texto era inteiramente dedicado). Não tenho conhecimento sobre o que aconteceu, até porque reservo as minhas noites ao conforto do meu lar e aos braços aconchegantes do meu marido, e por isso mesmo não posso opinar sobre tal coactivo e atroz acontecimento.
Em relação à sua outra observação tenho, obrigatoriamente, que lhe dizer que pactuo-o consigo no seguinte aspecto “não se esqueçam que um dia terão filhos ou tem e não sabem o que o futuro lhes prepara”. Todavia, e em verdade lhe digo que não tenho por hábito diferenciar quem quer que seja, ou julgar os filhos dos outros. Simpatizo com todas as crianças mencionadas no seu texto, até porque já tive a oportunidade de conviver com elas diariamente.
Peço-lhe, encarecidamente, que compreenda que não posso ser responsabilizada por nenhum comentário que aqui seja apresentado, contudo, posso retirar, ou até nem deixar alguns seres mal intencionados apregoarem comentários desprezíveis, sem fundamento e ilusórios sobre algumas figuras que, decerto, incomodam muita boa gente da nossa povoação.
Encontro-me num ponto da minha vida em que penso que o que faço, o que digo e, principalmente, o que rabisco tem um excessivo significado para algumas criaturas.
Não percebo porquê. Porém, sinto-me bem comigo própria. Estou a edificar algo que gosto e a lidar com pessoas de quem gosto. Confesso que ultimamente ando excessivamente cansada e impaciente com a indefinição da minha vida, particularmente devido a esta nova gestação, a esta nova criança que brevemente fará parte da nossa comunidade.
Se pudesse agir fá-lo-ia, mas resta-me esperar que os monstros que nos martirizam tropecem nas suas próprias armadilhas e fiquem desvendados diante do povo que os viu brotar. O pior é a espera, mas como diz o povo “quem espera sempre alcança”.
Todos os dias à noite antes de me deitar penso no dia seguinte, penso na minha família que é composta singularmente pelo meu marido e pelos meus bebés (as três individualidades que mais amo no mundo e por quem era capaz de dar a minha própria vida, se necessário fosse) e penso, sobretudo, nos pequenos prazeres que tenho e que me proporcionam muita alegria.
Actualmente já percebi o que é verdadeiramente importante para mim e tudo o resto deixarei para trás.
E que assim seja!

Dra. p said...

Sandra consultei o teu blog pela primeira vez e queria dar-te os parabens pelo bom trabalho que tens desenvolvido aqui.
Também queria te felicitar pela boa e inteligente resposta que tens dado a alguns comentadores, principalmente a resposta dada acima.
Aqueles que te apoiam e que gostam de ti podem ser poucos, mas somos mesmo muito bons.
Bjs de uma boa amiga que vai estar sempre aqui.

Anonymous said...

o que naõ sabem e que a lisandra so´se defendeu e que a sara já vem provucando a´mais de 3 anos e nao~foi a MUITO TEMPO QUE FOI AO COMPUTAROR DOS ESCUTEIROS TIRAR AFOTO DA MAE DA LISANDRA PARA FAZER CARTAZES SO QUEM NAO DEVE NAO TEME E DO QUE CONHEÇO DA LISANDRA NUNCA NA VIDA TRATA OS PAIS COMO JA VI A SARA TRATAR OS SEUS ATE FIQUEI ENVERGONHADO COM O QUE A OUVI CHAMAR